terça-feira, 27 de outubro de 2009



Quaestio
.
.

Que relação poderá ter este desenho com a Filosofia?

6 comentários:

Anónimo disse...

Ninguém tem o direito de impedir alguém de pensar e ter liberdade de expressão, toda a gente é livre e diz o que quer, pois já não estamos nos dias antes da revolução do 25 de Abril de á vários anos atrás, cada um de Nós é livre. Ninguém impede ninguém. Na imagem existe um Homem acorrentado a um pé e existe 3 pombas à qual simbolizam a liberdade, elas estão a picar a corrente para que esta se parta, e o Homem tenha liberdade. A imagem tem uma relação com a filosofia porque, o Homem pensa e pode-se argumentar de muitas coisas tem liberdade de expressão e com a filosofia é isso mesmo os filósofos vão “buscar” os argumentos colocados pela Humanidade e vão tentar chegar a uma conclusão desse argumento.
Letícia 10ºC nº16

Anónimo disse...

A Imagem mostra-nos o quão as pessoas estão agarradas a dogmas, a crenças e também nos mostra como os seus dias são tão monótonos que até as pombas “pousam em cima”, como nos mostra a bola de ferro (representa os dias) e as pombas em cima dela.
Por isso é que a filosofia é importante, para que possamos questionar o que está à nossa volta fazendo assim com que os nossos dias não sejam tão monótonos e também para nos podermos livrar de dogmas e crenças da nossa sociedade.
Rui 10ºC Nº23

Anónimo disse...

Este desenho mostra-nos um homem acorrentado a uma bola de ferro, com pombas lá pousadas. Que relação poderá então ter este desenho com a Filosofia? Vejamos, a partir de este desenho vemos que o homem está acorrentado, de uma maneira filosófica, está preso a dogmas e não está interessado em sair da ignorância, pois está lá há tanto tempo que até as pombas ali pousam. A atitude deste homem é a atitude de um sábio, uma atitude dogmática, em que tem por base dogmas, ou seja, verdades incontestatáveis e os sábios são conservadores e sentem receio das novidades, do inesperado, do desconhecido e de tudo que possa desequilibrar as crenças e opiniões já constituídas. Os filósofos são totalmente o contrário. Os filósofos põem em causa tudo, até o que é dado como verdade inconstatável e vão sempre até à raíz dos problemas. A filosofia é importante, para ninguém ter a atitude deste homem que está preso à ignorância e que não busca nem a verdade, nem o conhecimento. Julga-se possuidor do necessário. E nunca é demais aprender e ir em busca de novas experiências e novas realidades.

"A VERDADEIRA VIAGEM DE DESCOBRIMENTO NÃO CONSISTE EM PROCURAR NOVAS PAISAGENS, E SIM EM TER NOVOS OLHOS"

Daniela Nº8 10ºC

Anónimo disse...

"Viver sem filosofar é como ter os olhos fechados sem nunca os ter tentado abrir." (Descartes)

Achei interessante esta afirmação de Descartes para esta "Quaestio"
Daniela Nº8 10ºC

Anónimo disse...

Nesta imagem está representado um homem que está acorrentado a ideias dogmáticas, e por isso as pombas, que são símbolo de monotonia, aproximam se do homem e das suas correntes e andam por ali a bicar.Esta imagem mostra-nos que a filosofia é uma maneira de nos lebertar-mos da monotonia e de ideias dogmáticas.Apartir do pensamento e do método da discução,pudemos lebertar-nos da "corrente" dogmática.

Ana Rafaela nº2 10ºC


P.s.: Finalmente encontrei o blog do stor :)

AndréFerreira disse...

Na minha lógica, esta imagem possui 3 elementos fulcrais em que cada um possui um significado crucial para a resposta a esta "quaestio".
A estátua d'O Pensador representa um ser humano em meditação "acorrentado" a um peso que constitui uma representação de preconceitos, ideias feitas. Estas ideias feitas molduram o pensamento do ser humano não permitindo um cogitar de carácter filosófico pois levam a realidade a parâmetros irreais e fictícios tornando os seres humanos incapazes no modo em que se sujeitam a tais circunstancias interferidas pelos demais, as pombas.
Fazendo uso de conceitos filosóficos, a especificidade da filosofia é constituída pelas seguintes características: autonomia, radicalidade, universalidade e historicidade.
A imagem relaciona-se mais intimamente com a autonomia e a radicalidade. A meditação de um ser influenciada por ruídos externos torna um pensamento controlado e não autónomo impedindo a descoberta da origem da razão quando um preconceito responde a uma questão.
Finando a reflexão, se permitirmos que interferências externas nos moldurem apenas atingiremos um pensamento carnavalesco pois apenas ficção da origem de uma razão será encontrada.

André Ferreira 10ºD nº3